Amigo Construtor Ensina

Entenda como funciona o processo de cura do cimento

FacebookGoogle+TwitterLinkedInWhatsApp
cura do cimento

Não é nenhuma novidade que para realizar um trabalho bem-feito, é importante conhecer todas as propriedades e processos da atividade. Na construção civil, isso não é diferente. Saber como funciona o processo de cura do cimento, por exemplo, é fundamental para que seja possível fazer um serviço de concretagem de qualidade e garantir um concreto duradouro.

A reação

Se não for adicionada água na mistura do cimento com os demais componentes do concreto, nenhuma reação acontece. É somente após a adição de água que os grãos do cimento vão se hidratando e cristais vão se formando em suas superfícies. Com o tempo, a quantidade destes cristais vai aumentando e eles vão se intertravando, ocorrendo o endurecimento da pasta, também conhecido como “pega”.

A secagem

Para que a reação do cimento ocorra é necessária a dosagem de somente uma quantidade pequena de água, cerca de 12L para cada saco de cimento (50Kg). Sabemos, contudo, que somente com esta quantidade de água, se consegue apenas um concreto com consistência de “farofa”, bem seco. Para se conseguir uma consistência adequada para o lançamento do concreto, normalmente mais água é adicionada. Esta água extra não reage com o cimento e tende a evaporar do concreto com o passar do tempo.

Vale lembrar aqui que quanto mais água se adiciona no concreto além daqueles 12L, menor também ficam as resistências dele. Isso acontece pois mais vazios vão ficar dentro do concreto depois que esta água evaporar.

Depois que é feito o lançamento do concreto este fica sujeito a evaporação de parte da água dosada. Com o concreto ocorre o mesmo fenômeno que ocorre com uma roupa secando no varal. Quanto mais quente, mais vento e mais seco o ar, mais evaporação ocorre.

Como nas primeiras horas e dias a resistência do concreto ainda é baixa, ele não consegue resistir aos esforços gerados internamente por esta saída da água e, por esta razão, podem ocorrer fissurações. Normalmente estas fissuras tem direções aleatórias e não comprometem a estabilidade da estrutura em primeiro momento. Contudo, elas são caminhos preferenciais para que outros agentes agressivos penetrem no concreto, podendo, por esta razão, comprometer a sua durabilidade.

Além disso, se esta evaporação de água não for controlada, principalmente em casos de concretagens de grandes áreas de concreto, como pisos, não só problemas relacionados a fissuras podem ocorrer. Se a superfície do piso secar por excesso de evaporação, pode faltar água nesta superfície para a hidratação adequada do cimento. Isso faz com que o piso apresente uma superfície fraca, se esfarelando facilmente, ou soltando muito pó.

A cura do concreto

Para evitar que ocorram esses problemas, é necessário realizar um procedimento chamado “cura”, que consiste basicamente em evitar que ocorra a saída de água de dentro do concreto em idades iniciais.

Este processo pode ser feito de diversas maneiras como:

  • Manter sempre a superfície úmida através de molhagem periódica;
  • Cobrir a superfície com um material impermeável, como uma lona;
  • Cobrir a superfície com saco de estuque e manter este sempre úmido;
  • Utilizar um aditivo químico especifico para esta finalidade (Cura Química).

Independentemente da forma de cura escolhida, o importante é mantê-la por pelo menos 7 dias. Neste período, boa parte das reações do cimento já ocorreram.

Caso tenham dúvidas sobre o processo de cura, entre em contato conosco. Teremos o maior prazer em ajuda-lo.

Tags:, , ,
torneira de água quente

Aprenda agora como instalar uma torneira de água quente

Como se faz
epis

EPIs: entenda mais sobre este assunto!

Amigo Construtor Ensina